Por Rui Godinho

Fomos conversar com a equipa do Tactical Room (Clique para ver), um dos mais populares portais e o primeiro podcast de Airsoft no Brasil, para conhecer um pouco melhor o seu trabalho.

6mm – Que é o Tactical Room e como apareceu?

O Tactical Room começou como um pequeno blog (hospedado no  Wordpress) cujo objetivo era divulgar boas práticas ao jogador de Airsoft. Sentíamos falta de materiais diversos, relacionados a temas como segurança, técnicas, táticas, equipamentos e ações que pudessem elevar a qualidade do jogador. Com o passar do tempo, abrimos nossa “FAN PAGE” no Facebook, Instagram, e um website com domínio próprio. Após a consolidação, pensamos em ampliar mais um pouco o alcance do conteúdo gerado, e para isso criamos o primeiro PODCAST brasileiro direcionado eminentemente ao praticante de Airsoft.”

Qual o publico alvo?

Nosso foco primário é o jogador de Airsoft, mas também temos desde o interessado a iniciar no esporte, passando pelo amante de temas técnicos/ táticos e até mesmo profissionais da área de segurança pública que buscam utilizar a ferramenta em treinamentos FoF em suas instituições.”

Quem são os colaboradores e qual o seu background?

Eu (Aranha) estou nessa desde 2005, quando o esporte ainda nem era oficializado em nosso país. Foi mediante ao cadastro no site AIRSOFT BRASIL (referência nacional para nosso esporte, onde tudo começou!) que conheci esse incrível mundo do Airsoft. Com sua oficialização (através de uma portaria do Exército Brasileiro, de 2008), adquiri meus equipamentos e comecei a praticá-lo no início de 2009. Vale ressaltar que naquela época comprávamos nossas armas de pressão em lojas online (pré venda!) e aguardávamos por volta de 3 a 4 meses para termos elas em mãos. Imaginem a ansiedade! Atualmente existem no Brasil centenas de lojas físicas com os mais diversos equipamentos à pronta entrega!
Tempos difíceis aqueles!

Graças ao Airsoft, tive a oportunidade de conhecer pessoas realmente incríveis (que tornaram-se grandes amigos) e de ter tido o privilégio em ter passados por alguns cursos técnico/táticos que auxiliaram, sobremaneira, a prática do esporte. Além disso, sou um dos membros fundadores de uma das equipes mais antigas do país (lá se vão mais de 7 anos!), o SO4, fundada na cidade do Rio de Janeiro, atualmente com dois polos: Rio de Janeiro e Salvador.

O Utsch é uma espécie de “mestre Jedi” do Airsoft, um cara por quem nutrimos uma enorme admiração e respeito. Está nesse mundo muito antes do Airsoft ser oficializado em nosso país. Veio do paintball (lá do início!) e há mais de 20 anos trabalha implementando a  filosofia “milsim” pelos quatro cantos do nosso país. Foi ele que – inclusive –  que na época das bolinhas de tinta trouxe para a região Sudeste (junto com o amigo Malha / WKG) o REAL ACTION, modalidade em que fomenta a parte técnica e tática dos jogadores, tornando o esporte muito mais cadenciado e com viés operacional.

Foi, ainda, o fundador de uma das mais tradicionais equipes de Paintball (depois, Airsoft), brasileira, o Galos de Briga. Amante dos esportes de aventura / outdoor, é alpinista, já trabalhou com resgate em altura, montanhismo e atividades mateiras, como bushcraft.”

Quais os planos para o futuro?

Nosso objetivo é sermos um fomentador de boas práticas, auxiliando sobremaneira na construção de um Airsoft responsável em nosso país.

“Sabemos que o Brasil é um país muito complicado, notadamente quando falamos de “armas” (sejam elas quais forem!), por isso é muito importante que os jogadores e amantes do Airsoft compreendam que ações responsáveis irão sedimentar uma base sólida e robusta para nosso esporte. Ganha quem pratica, quem coleciona os equipamentos, o mercado com um todo e a industria. Ser responsável é auxiliar, cada um a seu modo, no crescimento do Airsoft em nosso país.”

Quais os momentos mais marcantes?

Acreditamos que os momentos mais marcantes e importantes são quando existe a participação dos nossos leitores e ouvintes. De absolutamente nada adiantaria produzir materiais se não houvesse com quem compartilhar, com quem trocar informações e ideias. Apesar de piegas, nós acreditamos fortemente na via de mão dupla, no jogo ganha – ganha, onde todos saem satisfeitos. É óbvio que não mudaremos o mundo (dos jogadores), mas através de nossas ações poderemos mudar até onde nossas mãos alcançarem.”

É gratificante quando algum jogador nos manda uma mensagem dizendo que algum texto ou  podcast foi importante na reconstrução de sua visão acerca do esporte. Há uma sensação de dever cumprido, que não tem preço!

Qual o diferencial do Tactical Room?

Ainda que possa soar arrogante o que vou dizer, serei sincero: creio que nosso diferencial seja a qualidade e cuidado com que produzimos nosso conteúdo, a seriedade que tratamos o esporte e o grande respeito e carinho que temos com nossos leitores.”

Os materiais que produzimos ao longo desses quase três anos são utilizados como materiais de referências, por equipes e jogadores em todo o país!

“Explicamos desde a biomecânica das empunhaduras, técnicas de recarga, passando mindset, importância do treinamento e da segurança. Tentamos fugir do óbvio e fomentar pensamentos “fora da caixa” por parte dos jogadores, para que possamos levar o Airsoft como uma filosofia de vida (assim como fazem com outros desportos). Porque não? Se o jogador compreende que a honra deve ser levada para fora de campo, é uma vitória! Se compreender que o espírito de corpo é também fundamental no escritório onde trabalha, é uma vitória! Se perceber que precisa se cuidar (fisicamente e psicologicamente) para desempenhar um papel “in game” melhor, temos ai, também, uma vitória!

Não é à toa que o nosso lema traz as palavras “Dinamismo, Integridade e Mentalidade.”

 

Quais são os apoios?

Oficialmente, temos alguns parceiros que desde o início apoiaram, acreditaram e incentivaram nosso trabalho, como a ETC (Esperandio Tactical Concept), Reds e Black Gear. Mais recentemente a  ACombat (Andrade Combat) e GiuuFox Airsoft, parcerias que, vira e mexe, divulgam ou apoiam nosso trabalho.

Obviamente existem equipes e demais jogadores que nos apoiam sempre, divulgando conteúdo, mandando mensagens e incentivando. Somos muitíssimo grato a todos eles, pois, como noutra resposta, se não fossem eles, não haveria o porquê do TR existir.

Infelizmente, quanto ao apoio financeiro ou de patrocinador (que também é importante, não podemos tapar o sol com a peneira) nós nunca tivemos. Todo o projeto é INTEIRAMENTE bancado do próprio bolso. Se por um lado é ruim, por outro nos da autonomia e isenção necessária para caminharmos soberanos e mantermos nossas convicções.”

Qual é o número de ouvintes/leitores/público

“Confesso que o “Analytics” nunca nos tirou o sono. Somos mais de 4000 “curtidas” no Facebook, mais de 1000 no Instagram e outros inúmeros leitores e ouvintes. De fato, estamos longe de ser “mainstream” do Airsoft nacional (na quantidade, não na qualidade) e, conforme dito anteriormente, isso nunca tirou nosso sono.”

A bem da verdade, não produzimos conteúdo “populesco” (memes, vídeos ou áudios engraçados, replicamos imagens sem sentido e contexto, etc), então sabemos que jamais teremos “explosão” de likes.

“Dispensamos o estilo “CALL OF DUTY” da molecada nova “Youtuber” que posta vídeos com “Kill Hit” e confunde a ficção com a realidade. Claro, sabemos que existe espaço para todos (e respeitamos isso), mas, definitivamente, esse NÃO é nosso público.”

Anúncios