Por Henrique Conceição (Presidente da ALA-APD)

Quando falamos de regras no Airsoft, qualquer jogador \ leitor, pensará que se nos estaremos a referir a regras de:

  • a) Respawn;
  • b) O uso de “pano” vermelho para identificar jogador abatido em deslocamento para respawn ou safe zone;
  • c) Leitura antecipada de regras de jogo, por forma a ter um desempenho melhor no evento;
  • d) Pinturas, comprovativos de compra das reproduções de armas de fogo para práticas recreativas e cartão de associado;
  • e) Seguros de Acidentes Pessoais e Seguros de Responsabilidade Civil;
  • f) Comportamento do jogador em campo e já agora, fora dele.

Todavia, todas estas alíneas estão mais que debatidas e, embora haja casos pontuais em algumas destas matérias, e outras gerais na sua plenitude, importa falar sobre outra alínea.

Esta é mais importante, mais (repito) que as já anunciadas, já que advém da massificação que o Airsoft, tem vindo a ter e a inoperacionalidade que as Associação Promotoras de Desporto infelizmente têm.

Cada vez mais assistimos no seio da nossa comunidade a comportamentos contrários ao que se espera de um jogador, inclusivamente seja de que desporto seja for, e o Airsoft não é excepção. Referimo-nos à falta de honra e fair-play, com as decorrentes injúrias, difamações e por vezes ameaças à integridade física de terceiros.

O Airsoft, como desporto que é, tem que se auto regular, de dentro para fora. Vejamos:

Que dizer, de um jogador que troca a mola da sua reprodução em pleno jogo, com a conivência da sua equipa?

Que dizer, de uma equipa que troca a mola das suas reproduções em pleno jogo, com a conivência de todos?

Que dizer de reproduções que são usadas sem pinturas, num jogo perto de si?

Que dizer de álcool antes ou durante o jogo de Airsoft, com a conivência de quem vê?

Que dizer de consumo de estupefacientes durante o jogo de Airsoft, com a conivência de quem vê?

Que dizer de alguém que foi objecto de processo disciplinar e não recorreu da sanção do mesmo e organiza jogos com a afluência de alguns jogadores, no “seu campo”?

Que dizer de alguém que promove jogos e aceita menores de 16 anos, a jogar no seu evento?
Ou, pior, espera que toda a equipa faça Check – In no evento e depois no inicio do jogo, passa por um local e o menor junta-se a ela e tudo decorre em perfeita harmonia, ilegal.

Estas são algumas situações que deverão ser equacionadas fazendo alguma selecção desde o inicio, aquando da inscrição numa qualquer APD , porque o Airsoft não merece por tudo o que faz parte da sua natureza, tais delitos.

Não basta ter 100€ ou 150€ para comprar uma reprodução e fazer a sua inscrição numa APD, aconselhada pelo amigo ao lado.

O Airsoft é melhor e merece melhor que esta simplicidade de quem não sabe, nem quer saber!

Por tudo o que escrevi, depreende-se que sou adepto de regras, é um facto. Mas a auto regulação só é possível através da normalização de critérios de aceitação de inscrições e renovações entre todas as Associações Promotoras de Desporto e nesta matéria, nada está feito…. Ainda!

Anúncios