Por Telmo Fonseca

Outra das opções que nos é oferecida pelo fabricante A&K e distribuída pela Evolution Airsoft é a MK43 que, em síntese, é uma M60 (Clique para ver análise) mais curta e manobrável. Estética à parte, partilha todas as restantes características com a sua congênere, entrando assim para o termo médio entre aspeto e funcionalidade, numa categoria própria de armas de Airsoft.

img_3849

Analisar este modelo é relativamente fácil para mim, já que tenho eu próprio utilizado uma desde longa data na minha equipa de Airsoft, e assim sendo, torna-se mais fácil ter uma opinião formada sobre uma arma que impressiona à primeira vista. Daí que, sem qualquer tipo de rodeios, é uma arma com alguns defeitos, mas que compensa de largamente com virtudes. O que é certo é que na equipa já não passamos sem ela, apesar do sofrimento que provoca na coluna de quem a opera.

Denominada de metralhadora “leve”, a arma original tem várias melhorias em relação à M60, a começar pela manobrabilidade, graças à versão mais curta de cano, desenhada especificamente para funções de assalto. Talvez a maior vantagem seja a de poder ser disparada corretamente ao ombro como uma espingarda de assalto. A inclusão de um punho frontal sela a garantia de versatilidade do conjunto.

img_3855

De todos os problemas possíveis, destaco apenas a alimentação da caixa de munições que, embora seja tecnicamente fácil de resolver, deu-me no passado bastantes dores de cabeça.

Tenho a garantia de que esse é um problema que foi já resolvido nestes modelos mais atuais, mas isso é algo que apenas o uso continuado poderia comprovar, logo, fora do âmbito desta análise.

As miras são reguláveis, e a pequena pega no cano externo pode servir para facilitar o transporte da arma, embora eu não o recomende, já que esta torce com facilidade perante o peso considerável da MK43. Na arma original, esta pega foi incluída exclusivamente para o processo de troca de cano por aquecimento excessivo, e não para aquilo que possa parecer: o transporte.

img_3873

 

A box de munições tem uma característica engraçada e útil, e que partilha com todos os modelos analisados nesta edição: tem dois modos diferenciados de alimentação, um completamente forçado, em que com o premir de um botão despoleta o motor, e este enrola uma mola pressiona as BB pelo remoto acima até começar a “morder”, e outro claramente mais interessante, totalmente automático, efetuado através de um pequeno microfone que ao “ouvir” os disparos, alimenta mais algumas BB na frente do nozzle. Nota muito positiva para este sistema, que permite despejar mais de milhares de BB com um único premir de gatilho.

E sim, estas armas permitem queimar BB até não mais ver, num ritmo absolutamente incansável, algo pouco recomendável numa AEG normal.

A minha experiência indica-me que isto aguenta todo o tipo de maus tratos que se lhe queira induzir. E por isso recomendo vivamente a sua aquisição. Os materiais da A&K sempre foram de fabrico rude e tosco, mas de igual modo bruto e resistente, e aguentam para além das nossas expectativas, mesmo tendo em conta o baixo preço de aquisição.

img_3762

Anúncios