Texto e fotos de Nuno “Stuntman” Tavares (Jornalista)

Uma das equipas de renome no Airsoft português, fundada em Março de 2008, rapidamente consolidaram o seu lugar no Airsoft nacional, afirmando-se como uma equipa de respeito na comunidade. Oriundos da Margem Sul, contam já na sua equipa com diversos jogadores experientes.

Como conceito, a equipa Ghost Ops leva o Airsoft a um nível mais sério, oferecendo assim aos jogadores uma experiência mais realista. Sendo uma equipa com 5 anos ininterruptos de existência, tem já uma larga experiência em vários tipos de jogos, desde o CQB, a mato, jogos nacionais e internacionais.

Na equipa contam com jogadores já com alguns anos de experiência no Airsoft, mas também outros que descobriram a modalidade há pouco tempo. A Ghost Ops realiza regularmente o “Curso de Admissão” (recruta) onde a maioria dos candidatos, são jogadores novatos no Airsoft. Estes cursos de admissão, são uma “ferramenta” poderosa e indispensável para a divulgação do Airsoft, ao atrair pessoas novas à modalidade.

O comando da equipa está entregue aos jogadores Bart e Homer, jogadores sem experiência militar, e nunca tendo servido em qualquer ramo das forças armadas, o que não impede que dirijam a equipa de forma competente, responsável e com um sentido tático impecável, fruto de muita experiência no Airsoft, apurado ao longo dos anos na convivência com outros jogadores e equipas. O “Comandante” é ainda dirigente (no inativo) do Corpo Nacional de Escutas.

dsc_2936a

Tudo o que foi criado para a equipa, desde a Academia, ao Curso de Admissão, Curso de Instrução, Especialidades, esquema de patentes, patches (símbolos bordados), regulamento interno e regras de fardamento, foi elaborado a partir do zero, e de forma completamente autodidata.

A Ghost Ops segue a vertente Milsim do Airsoft, tendo sempre em mente os objetivos do evento. Ao longo do tempo foram-se tornando fortes na área do reconhecimento e movimentações atrás de “linhas inimigas”. Não reencenam nem tão pouco seguem nenhuma força militar, embora o layout se aproxime dos Navy Seal Woodland Warfare. Tem uma apetência para terrenos com grandes dimensões e que contenham infraestruturas.

Como fardamento para a equipa, foi escolhido o ACU US Woodland, e a nível de reproduções de armas de jogo, usam na sua maioria réplicas da família da AR-15, ou outros modelos compatíveis com carregadores Stagmag. São adeptos de coletes com sistema MOLLE, e todos os acessórios usados pelos elementos da equipa (coletes, joelheiras, coldres, etc) são obrigatoriamente em OD.

 

Em 5 anos de existência já foram muitos os momentos memoráveis de Airsoft. Um dos mais marcantes terá sido o Oscar Mike 2012. Citando o Miguel “Homer” Oliveira, “Foi sem dúvida o maior evento no qual participamos e que ofereceu uma experiência fora do vulgar”.

A Ghost Ops é uma equipa que aposta no realismo, por isso vai querer sempre elevar a fasquia, já que a eficácia em campo é o factor mais importante para a equipa. Entre outros, um dos projetos dentro da Ghost é ter a equipa completamente automatizada, com todos os processos sempre prontos a funcionar, algo que está praticamente concluído.

Anúncios